Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre alguém que morreu recentemente. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (data da marcação: 04 de janeiro de 2019; editado pela última vez em 4 de janeiro de 2019) Twemoji 1f464.svg
Amos Oz
עמוס עוז
Amoz Oz, em 2005.
Nascimento 4 de maio de 1939
Jerusalém, Mandato Britânico da PalestinaReino Unido
Estado de IsraelIsrael (presente)
Morte 28 de dezembro de 2018 (79 anos)
Jerusalém
Nacionalidade israelita
Progenitores Mãe: Fania Mussman
Pai: Yehuda Arieh Klausner
Cônjuge Nily Oz-Zuckerman
Filho(s) 3
Ocupação Escritor
Jornalista
Novelista
Influências
Principais trabalhos A Perfect Peace
A Tale of Love and Darkness
Panther in the Basement
Prêmios Bialik Prize(1986)
Prémio Femina estrangeiro (1988)
Peace Prize of the German Book Trade(1992)
Legião de Honra(1997)
Prêmio Israel(1998)
Prémio Internacional Catalunha (2004)
Ovid Prize (2004)
Prêmio Goethe(2005)
Prêmio Príncipe das Astúrias(2007)
Heinrich Heine Prize(2008)
Prémio Franz Kafka (2013)
Ideias notáveis Solução de Dois Estados
 Israel e  Palestina

Amos Oz (nascido Amos Klausner), (Jerusalém, 4 de maio de 1939 - 28 de dezembro de 2018), foi um escritor israelense, co-fundador do movimento pacifista Paz Agora (Shalom Akhshav).

BiografiaEditar

Os seus pais fugiram em 1917 de Odessa, na Ucrânia para Vilnius, na Lituânia e daí para o Mandato Britânico da Palestina em 1933. Em 1954 Oz entrou para o Kibbutz Hulda e tomou então o seu nome atual. Durante o seu estudo de Literatura e Filosofia na Universidade Hebraica de Jerusalém entre 1960 e 1963 publicou seus primeiros contos curtos. Oz participou na Guerra dos Seis Dias e na Guerra do Yom-Kippur e fundou na década de 70, juntamente com outros, o movimento pacifista israelita/israelense Schalom Achschaw (Peace Now); pela Solução de Dois Estados.

Fundador e principal representante do movimento israelita/israelense Paz Agora, é o escritor mais influente de seu país. Poucos autores escrevem com tanta compaixão e clareza sobre as agruras presentes e passadas de Israel. Em romances como Conhecer uma mulher (1992), Pantera no porão (1999) ou Meu Michel (2002); explora a persistência do amor durante a guerra.

Em 1991 foi eleito membro da Academia de Letras Hebraicas; Em 1992, recebeu o Prémio de Frankfurt pela Paz, e ganhou o Prêmio Israel, o mais prestigioso do país. Em 1998 (50º ano da Independência de Israel), recebeu o Prémio Femina em França e foi indicado para o Prémio Nobel de Literatura em 2002. Em 2004 recebeu o Prémio Internacional Catalunya, junto com o pacifista palestino Sari Nusseibeh, e também Prémio de Literatura do jornal alemão Die Welt, por "Uma História de Amor e Escuridão". Publicou cerca de duas dezenas de livros em hebraico, e mais de 450 artigos e ensaios em revistas e jornais de Israel e internacionais (muitos dos quais para o jornal do Partido Trabalhista "Davar" e, desde o encerramento deste na década de 1990, para o "Yediot Achronot"). Tem livros e artigos seus traduzidos por todo o mundo e quase toda a sua obra se encontra traduzida em português[1][2].

Em 2005 recebeu o prémio/prêmio Goethe como escritor. Em 2007 recebeu o Prémio Príncipe das Astúrias de letras.

Principais obrasEditar

Não ficcionaisEditar

FicçãoEditar

Referências

Ligações externasEditar

Original: Original:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Amos_Oz